Asas do desejo (Der Himmel Über Berlin, 1987)

wings of desireQuando a criança era uma criança

era a época destas perguntas:
Por que eu sou eu e não você?
Por que estou aqui, e por que não lá?
Quando foi que o tempo
começou, e onde é que o espaço termina?
Um lugar na vida sob o sol não é apenas um sonho?

  (poema de Peter Handke)

“Asas do desejo” (ou como no alemão, “O céu sobre Berlim”) , do diretor Win Wanders, é em sua essência um ode à vida e ao humano.

A premissa é simples: Dois anjos, Cassiel (Otto Sander) e Dammiel (Bruno Ganz), acompanham as almas desesperadas da Berlim pós-guerra. Os protagonistas celestiais devem cuidar dos humanos, lendo seus pensamentos e observando seus sofrimentos. Dammiel não escapa de sua condição divina, ao se apaixonar pela trapezista Marion e não poder consumar seu desejo. Para poder tocá-la, ele deve deixar de ser anjo e tornar-se mortal.

Dammiel deixa sua condição divina e se torna mortal pelo aspecto mais característico do humano: o desejo. Desejo de amar, de sentir e de tocar, mais especificamente. Ele cai no solo ao lado do muro de Berlim e descobre, com alegria, que sua cabeça está sangrando. Não deixa de ser uma forma de batismo. Dammiel então tem a possibilidade de sentir o frio, de tomar café quente, fumar um cigarro, esquentar suas mãos esfregando-as uma na outra, e outras coisas que para nós passa despercebido e parece não ter valor. Porém, a busca maior é encontrar Marion e experienciar o amor. Há um diálogo muito bom, após dias de experiencias e com a certeza de ser realmente humano, em que Dammiel escreve  em algum tipo de carta: “Eu agora sei o que nenhum anjo sabe.”

O amor impossível não é o único elemento que seduz o público. Através dos dois anjos, vemos os pensamentos e reflexões fragmentadas dos berlinenses  compor uma narrativa variada e dinâmica. Os curiosos diálogos internos retratam o cotidiano, a condição humana e urbana de um mundo sob a sombra da guerra nuclear. São cenas calmas, cinzentas, cenas solitárias e cotidianas.

Numa reflexão sobre o divino e o efêmero, Wanders contrapõe  angústia do homens com o desejo de viver dos anjos. É interessante o dualismo entre os dois mundos apresentado no filme. O mundo dos anjos, estes impotentes, condenados a observar a história de forma passiva, incapazes de realmente ajudar os homens, e o nosso mundo, o mundo das angústias, crises existenciais, guerras, mas também o mundo dos prazeres, da esperança e do amor.  Em uma cena, Cassiel sofre por não poder salvar um suicida. A dualidade está presente também na estética do filme: enquanto os anjos enxergam em preto e branco, os homens vivem num mundo colorido, porém sem deixar de ser cinzento. Falando em estética, nesse quesito Asas do desejo é impecável, certamente um marco e uma obra de referência.

O filme vale muito a pena ser visto, no mínimo para saber de onde  veio o melodramático e idiotizado “Cidade dos anjos” (EUA, 1998), que parece ser bem inferior ao original. O diretor realizou uma sequência para Asas do desejo, chamada “Tão longe, tão perto” (In weiter Ferne, so nah!) de 1993. Já que gostei do primeiro, vou procurar o segundo e espero que seja tão bom quanto o anterior. Pelo menos é doWin Wenders e tem os mesmos atores.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Livros, Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s